Igreja de Nossa Senhora da Assunção

NOTA ARTÍSTICA

A igreja “velha” localizada no centro da aldeia, revela-nos um edifício já do século XVIII, onde os testemunhos de maior antiguidade são quase escassos. Despojado na sua arquitetura, a igreja é nave, capela-mor e sacristia. A fachada de grande sobriedade, é ritmada somente pelas volutas sobre a porta e janela que se abre para o coro alto. A torre sineira, adossada à fachada, mostra-se imponente, possivelmente, a parte inferior da estrutura corresponde a parte da estrutura do primitivo edifício

A parte interior, a nave única, provida de coro alto, é coberta de madeira. A ladear o arco triunfal, dois retábulos de talha dourada de gosto rococó. Desse mesmo gosto é o retábulo, e respetiva tribuna, que se ergue na capela-mor.

Data: XVIII

Autor: N/S

NOTA HISTÓRICA

A atual “igreja velha” de Janeiro de Cima, assim conhecida por oposição à igreja (nova) que foi construída no século XX, data provavelmente do século XVIII e estava dentro do mesmo lugar de Janeiro. Contudo, sabemos que no século XVI, a igreja de Janeiro de Cima era anexa à igreja de São Domingos, de Janeiro de Baixo. Até este momento, desconhecia-se esta relação, assim como da sua integração no rol de bens da Ordem de Cristo. Em 1563/64, a documentação revela que o comendador, Agostinho Ambruu, tutelava e tinha a responsabilidade sobre a capela-mor da igreja e disso retirava dous terços dos dizimos, como se pode ver de seguida:

Tº da igreia de sam domingos do luguar de Janeiro de baixo E suas anexas. S. maria de Janrº de çima, E S. bertholameu do lugar de orualho comenda da ordem de xpo

Igreia de Sam dominguos de Janr.º de baixo e suas anexas. de Janrº de çima e do orualho he comenda da ordem de xpo he dela comendador agostinho ambruu Não tem ao presente vigairo leua o dito comendador dous terços dos dizimos E o cabido leua hu terço do quall terço leua o arcediago a redizima de dez huu.

endem ao dito comendador os dous terços que leua dos dizimos com promicias propios, guado lam linho Vinho e outras meuças en cada huu anño thiradas as despesas ordinarias necessarias conforme ao Regimento e asy o salrº do vigairo. satenta e tres mill rs.

Durante o século XVIII,  o edifício é renovado e a memória paroquial (1758) descreve a igreja como como tendo Nossa senhora da Assumpcam he o orado desta Igreja e tem quatro altares, o da capella mor aonde esta colocada a dita senhora da Assumpção e Santa Rita e o  Santíssimo sacramento e na tem mais do que a irmandade das bem-ditas almas e outro três altares de Santo Cristo, outro de Santo Amaro e outro da Sra do Rozario.

Já no decorrer da primeira metade do século XX, devido ao crescimento da população e a velha igreja ser pequena, foi  construída a igreja “nova”, de maiores dimensões, subsistindo a antiga igreja de Nossa Senhora da Assunção.

Referências Bibliográficas:

NOGUEIRA, José Duarte; NOGUEIRA, Joaquim Eurico, “Realidade administrativa e social oitocentista. O Zêzere médio ofiúsico”. Lusíada. Direito, Vol. 2014, No. 12, 139-181.

http://www.monumentos.gov.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=17865

Referências Documentais:

ANTT, Memórias paroquiais, vol. 18, nº (J) 2, p. 19 a 26

BN, COD. 413 -Titulo das comendas dos Mestrados das ordens de Christo e d ́auis que ha neste b[is]pado da guarda com aualiaçam das Remdas de cada hu[m]a delas dos Annos de 1563 e de 1564