Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Assunção

NOTA ARTISTICA

Igreja de nave única e capela-mor justaposta, revelam a sua reforma ao longos dos séculos. Porém, a sua fundação remonta ao período medieval, de que nada resta. Sabemos, por intermédio de duas datas cronografadas, uma no púlpito (1566) e outra na fachada principal (1576), que a igreja foi alvo de intervenção artística (onde se instituiu duas capelas, que mais tarde sabemos que foram dedicadas a São Nicolau e ao Rosário). Certamente, é no decorrer destas intervenções que data  a escultura renascentista – da escola de Coimbra – dedicada à Assunção da Virgem.

Fachada principal em cantaria aparelhada, onde se justapõe um campanário de duas sineiras. O portal principal definido por um arco de volta perfeita – frontão interrompido por uma janela que manifesta uma campanha de obras posterior – está ladeado por colunas de feição quinhentista, revelando claros contornos clássicos e de base tratadistica.

A nave tem cobertura em teto de madeira com perfil de arco rebaixado e apresenta dois retábulos a ladear o arco triunfal e duas capelas laterais; uma inscrita da invocação das Almas e outras profunda dedicada ao Santíssimo Sacramento. Esta última, de planta aproximadamente quadrangular é resultado de uma intervenção setecentista e destaca-se pela sua coerência estética; a cobertura em madeira tem perfil poligonal, os alçados são revestidos com silhar de azulejo de figura avulsa e o retábulo em madeira, com dois nichos delimitados por colunas e encimado por um outro nicho, circular, onde está colocado Cristo crucificado.

Do equipamento destacam-se o coro e o púlpito, seiscentista e os retábulos tardo-barrocos

Séc. XVI/XVII/XVIII

Autor: s/n

NOTA HISTÓRICA

Pouco se conhece dos seus primórdios. Entre 1566 (data do púlpito) e 1576 (data cronografada sobre o portal principal – portal de risco clássico), realizou-se uma intervenção no edifício. Para além da fachada e púlpito, possivelmente também dada deste período a construção das capelas laterais. Terá sido na sequência de todas estas intervenções que se adquire a escultura renascentista da escola de Coimbra – escultura com afinidade com a escola de João de Ruão – e que hoje podemos visualizar na designada Capela de Nossa Senhora do Rosário.

A igreja, desde o século XIV, tem presentação paroquial a São Vicente da Beira. Essa circunstância é visível pelos tombos, não só pelos tombos da Ordem de Cristo como também da Ordem de Avis, pois esta igreja, assim como outras deste região, detém duas ordens no mesmo espaço.

Em 1563/1564, no tombo do Titulo das Comendas dos Mestrados das Ordens de Christo e d ́Auis, é referido que a igreja São Vicente da Beira tem como anexas diversas igrejas, entre elas a igreja de S. Maria de Tinalhas, tem duas Comendas huam da ordem de xpo outra da ordem davis he comendadorda ordem de xpo geronimo corte reall e he comendador da ordem davis dom francisquo da costa levão os ditos comendadores dous terços dos dízimos igoalmnte …

Esta é uma prática que ocorre ainda no século XVIII, como refere o tombo de 1716. Nesse tombo, descreve-se  a igreja de Tinalhas, referindo-se que detém novos retábulos e de de muito boa qualidade feito ao moderno  “ (…) ”Achou ele Doutor Juiz  de fora e do Tombo que  a Igreja  matriz  do lugar de Tinalhas he orago della Nossa Senhora  d’Asunçam e que a capella mor da dita Igreja pertence a fabrica della as comendas de Aviz  e a de  Christo  a qual capella tem seu retabullo e tribuna nova muito bem feito e dourado ao moderno e na tribuna a Imagem de Nossa Senhora  d’Asunçam vestida para o que dam os dous comendadores em cada hum anno três mil reis em dinheiro”.

Referências Bibliográficas:

JORGE, Horácio Brás, Tinalhas meu berço, minha raiz… Castelo Branco: Cometa, 1996.

http://www.monumentos.gov.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=11680

Referências Documentais:

Bn, COD. 413 -Titulo das comendas dos Mestrados das ordens de Christo e d ́auis que ha neste b[is]pado da guarda com aualiaçam das Remdas de cada hu[m]a delas dos Annos de 1563 e de 1564

ANTT, Ordem de Avis, Tombo 86.