Igreja Paroquial de Santo António

NOTA ARTÍSTICA

Em declive e no centro do lugar de Caféde, onde se erguem alguns edifícios de feições do século XVI e XVII, ergue-se a simples igreja dedicada a Santo António, composta por nave única, capela-mor e torre sineira. É precisamente na torre sineira, onde ainda se pode observar a data de 1771, data que remete para a reformulação deste espaço. Sob a porta principal abre-se um nicho onde se encontra a escultura dedicada precisamente ao orago do templo (peça, segundo a tradição oral, remonta ao século XIX).

O despojamento e simplicidade exterior, também se encontram ao nível do seu interior. De nave única e um pequeno coro alto, todo espaço da nave é coberto com uma armadura de madeira (fruto de uma intervenção de requalificação). Junto do espaço da entrada, sob a sineira encontra-se a pia batismal em granito. A capela-mor é de pequenas dimensões e de contornos contemporâneos, denunciando mesmo a intervenção de que foi alvo no início do século.

Do período setecentista pouco se regista. Destacam-se partes dispersas do primitivo retábulo, como colunas (que servem de base para alguma imaginária), uma pequena estrutura retabulística colocada junto do altar, com a imaginária dedicada à Virgem, assim como o sacrário.

Também se pode destacar alfaias litúrgicas e uma pequena escultura de São Sebastião dos finais do século XVII e inícios da centúria seguinte.

Data: 1771

Autor: s/n

NOTA HISTÓRICA

Conforme refere o Tombo da Ordem de 1505, a aldeia de Caféde encontra-se sob a tutela da Ordem de Cristo e, deixando a comenda de Castelo Branco, passa, conforme denuncia o documento, a perteençe aa dicta nova comenda dos escallos Esta anexação também acontece com os Escalos de Baixo e a aldeia da Mata e tem comendador e frey Lourenço de Brito, que. Passa acumular, sendo determinação régia, esta Comenda com a Comenda de Segura e Salvaterra do Extremo, que já possuía.

Contudo, na relação das comendas antigas, é dito, no assento dos comendadores, que (…) Castelo Branco, tendo como comendador D. Fernando de Menezes, foi-lhe doada em 302.500 reais no ano de 1532, (…) pelos arrendamentos de três anos e comm ella entram as aldeias dos Escalos de Cima e de Fundo e Cafede no termo da mesma Vila. Este facto pode estar relacionado com a morte do comendador Frei Lourenço de Brito e a partir desse momento Caféde volta a ser incorporada na comenda novamente na de Santa Maria de Castelo Branco.

Facto que se comprova pelo Titulo das comendas dos Mestrados das ordens de Christo e d ́auis, de 1563 e de 1564. O documento refere, sob a designação das igreias de santa mª e sam Miguel davila de Castelo Branco com suas anexas comenda da Ordem de xpo, que a igreja de Cafede tem como comendador D. Fernando Meneses.

Em meados do século XVIII, antes da intervenção de 1771, diz-nos as Memórias Paroquiais, que a igreja dentro do lugar não tem alguma anexa (…) Chamesse o orago da freguesia Santo Antonio, tem três altares, o altar mayor do dito orago outro de Nossa Senhora do Rosário e outro do nome de Deus, não tem nave alguma não tem irmandade alguma.

Referências Bibliográficas:

CARDOSO, J. Ribeiro, Castelo Branco e o seu Alfoz. Achegas para uma monografia regional, Castelo Branco, Edição do autor, 1953.

CASTELA, António, Caféde. Uma aldeia na Beira Baixa. Lisboa: Plátano Editora, 1996.

MARTINS, Cong. Anacleto , Breve História da Freguesia e igreja de S. Miguel Arcanjo e da Diocese de Castelo Branco, Sameiro-Braga.

http://www.monumentos.gov.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=12795

MARTINS, Cong. Anacleto, Esboço Histórico da Cidade de Castelo Branco, Castelo Branco, Câmara Municipal, 1979.

Referências Documentais:

ANTT, OC/CT, Lv. 305

ANTT, OC/CT, Lv. 240,

ANTT, Memórias paroquiais, vol. 8, nº 34, p. 197 a 200

BN, Titulo das comendas dos Mestrados das ordens de Christo e d ́auis que ha neste b[is]pado da guarda com aualiaçam das Remdas de cada hu[m]a delas dos Annos de 1563 e de 1564 , COD. 413