Capela de São Martinho

NOTA ARTÍSTICA

Sob o monte de São Martinho, onde se pode avistar um vasto território albicastrense, ergue-se uma pequena capela sob a invocação do mesmo santo. Apesar da sua história remontar ao período medieval, desse tempo não se encontra hoje qualquer vestígios. A actual capela   é uma obra que se encontra datada do século XIX, desprovida de qualquer valor artístico.

Séc: XIX

Autor: s/n

No antigo termo da cidade de Castelo Branco, ergue-se o edifico de São Martinho, situado no alto do monte que dá pelo mesmo nome da edificação. Este local tem revelado, nas últimas décadas, inúmeros achados arqueológicos que testemunham a sua ancestralidade. Com uma ocupação desde a pré-história e com uma romanização acentuada, este local revela amplamente a sua importância para a história local.

Com a presença dos Templários e depois com a Ordem de Cristo, a  Ermida da de São Marinho, tal como tantas outras capelas, acabam por engrossar o património da Ordem [Cristo] (1505). Facto que se  confirma pelo tombo da Comenda de Santa Maria do Castelo (1563) das Rendas.

 

No tombo da Ordem de Cristo de 1505, esta ermida, tal como outras da cidade, é descrita desta seguinte forma:

“no termo da dicta Villa tem ha hordem [de Cristo] has hermidas seguintes.

(…) primeiramente. ha hermida de sancta maria de mercoles situada quasi no meyo de huua granja da hordem que se chama ha granja de mercoles e desta hermida leua has offertas ho vigairo da egreja sobredicta de santa maria:

outra hermida de sancto andree.

outra hermida que se chama de sam bartolomeu.

outra hermjda que se chama de sam gregorio

outra hermida que se chama de sam giãao

outra hermjda que se chama de sam martinho

outra hermjda que se chama de sam sebastiam

outra hermjda que se chama de sam lourenco

outra hermjda que se chama de sam pedro do salgueiro.

Destas ermjdas sobreditas leua has offertas ho vigairo da egreja de sam miguel saluo ha de sam pedro que he d ambalas egreias:

o corregimento das sobreditas egreias e asi das hermidas se faz nesta maneira .a saber. ha hordem correge has oussias das dictas egrejas de santa maria e sam miguel e has repaira de todo ho que lhe faz mester e põoe hi hos hornamentos e çera e ençensso e hos freegueses corregem hos corpos dellas e altares que nellas estam.

E todallas hermidas asi has oussias como hos corpos dellas correge ho conçelho. e has hornamentam segundo sua deuaçome asi estaa de costume posto que ha hordem leue has offertas como suso dicto he. e pella hordem deuem de seer postos hi hos hermjtãaes segundo que se achou per antijguas visitaçõoes. (…)

Do edifico medieval nada resta. A construção atual data século XIX.

Referências Bibliográficas:

BRÁSIO, António, “Diocese de Castelo Branco”. Estudos de Castelo Branco. Castelo Branco: 1971, n.º 36;

CARDOSO, J. Ribeiro, Castelo Branco e o seu Alfoz, Achegas para uma Monografia Regional. Castelo Branco: Livrarias Semedo e Feijão, 1953;

GARCIA, José Manuel e LEITE, Manuel, “Inscrições Romanas do Norte de São Martinho – Castelo Branco”, Cadernos de Epigrafia, nº 6, Castelo Branco, 1982.

MARTINS, Anacleto Pires da Silva, Esboço Histórico da Cidade de Castelo Branco. Castelo Branco: Câmara Municipal de Castelo Branco, 1979;

http://www.monumentos.gov.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=2498

SILVA, Joaquim Augusto Porfírio da – Memorial Chronologico e Descriptivo da Cidade de Castelo Branco. Lisboa: Typographia Universal, 1853;

Referências Documentais:

ANTT, Ordem de Cristo/Convento de Tomar, liv. 305

BNP, Reservados, Cod. 413 – Titulo das comendas dos Mestrados das ordens de Christo e d auis ue ha neste b[is]pado da guarda com aualiaçam das Remdas de cada hu[m]a delas dos Annos de 1563 e de 1564 [Manuscrito], fl. 17. BNP –Reservados, Cod. 413