Igreja Paroquial de São Sebastião

NOTA ARTISTICA

O atual edifício terá tido origem numa construção seiscentista, posteriormente modificada; a última grande campanha de obras, da década de 70 do século XX, reconfigurou as coberturas.

Igreja de nave única a que se adossa a capela-mor.

Fachada principal de um pano, no qual se abre o portal principal, com moldura em cantaria e verga arqueada, ao qual se sobrepõe uma janela de sacada com a mesma tipologia de molduramento, que também surge no portal lateral. O remate é em empena angular, definido por cornija. Lateralmente dispõem-se a torre sineira e o volume correspondente ao baptistério.

O  espaço interior dispõe de coro-alto, púlpito, retábulo-mor, guarda vento,  com vitral figurando a cruz da Ordem de  Cristo, e algumas esculturas de vulto colocadas sobre peanhas. No século XVIII dispunha de altares na nave, dedicados a Nossa Senhora do Rosário, Santo  Nome de Jesus e às Almas.

O retábulo-mor, parcialmente reconfigurado no século XIX, é setecentista e já não possui mesa de altar.

Pertencente a um anterior retábulo, o edifício conserva um tábua quinhentista representando o Calvário de forte pendor flamenguizante, pintado sobre madeira, mostra na terribilità miguelangelesca do corpo desnudo reminiscências da melhor cultura maneirista e no modelo da Stabat Mater uma inequívoca filiação nos modelos de Luís de Morales.

Data: séc. XVII

Autor: s/n

NOTA HISTÓRICA

Do edifício medieval desconhecemos qualquer notícia. O atual deve datar do século XVII. O dado mais antigo remete-nos para o século XVI, mais concretamente para o ano de 1517, quando D. Manuel I faz chegar a todas as igrejas da Ordem de Cristo um conjunto de determinações e para a igreja de Cernadas  (Sarnadas, referido também como lugar de Ródão) determina que tenha Capelão perpétuo, com obrigação viver no lugar e dizer missa todos os dias (com excepção de um dia na semana).

Em 1563/1564, no tombo do Titulo das Comendas dos Mestrados das Ordens de Christo e d ́Auis, é referido que a igreja das Sarnadas é anexa da Santa Maria da Vila Velha de Ródão (facto apontado também por Carvalho da Costa) e tinha como comendador, Rui Barreto: a igreja de Santa Maria de Villa Velha de Rodam com suas anexas São Sabastiam do lugar das Cernadas e Sam Pº de Vilar de Boi (…).

Em 1758, a memória paroquial, refere que a igreja tem altar mor com sacrario e tem majs três coletrais hum da senhora do Rozario outro Nome de Deus outro das Almas do purgatorio (…).

Referências Bibliográficas:

COSTA, Carvalho da, Corografia portugueza, e descripçam topografica do famoso reyno de Portugal, Lisboa: Oficina de Valentim da Costa Deslandes, 1708, tomo II.

ROLÃO, Paulo e CARMONA, Manuela, Sarnadas de Ródão – na roda do tempo. S.l.: Monóculo, 2014.

http://www.monumentos.gov.pt/Site/APP_PagesUser/SIPA.aspx?id=18043

Referências Documentais:

ANTT, Gaveta VII, maço 15, nº2.

ANTT, Memórias paroquiais, vol. 34, nº 84, p. 695 a 698

Bn, COD. 403 -Titulo das comendas dos Mestrados das ordens de Christo e d ́auis que ha neste b[is]pado da guarda com aualiaçam das Remdas de cada hu[m]a delas dos Annos de 1563 e de 1564